Crítica: A Entidade

Tão inevitável quanto a poluição que fica nas ruas após todo o período de eleição, sabia que esse dia chegaria: o dia em que teria que escrever sobre um filme de terror. Já posso até ouvir suas risadas do tipo “ah, fala sério !” mas a verdade é que sou um cagão pra esse tipo de filme, vejo, sim, mas pronto pra fechar os olhos a qualquer eventualidade. E pra minha estréia no gênero surge A Entidade, um terror que começa muito bem mas com um fim que não faz justiça ao início do filme.

Mas vamos ter uma idéia geral da fita, Elison Oswalt, um escritor de romances criminais que está numa pindaíba só. Numa última chance ele arrasta a família para uma casa onde uma família inteira foi assassinada e a filha mais nova desepareceu para escrever um novo livro. E durante a mudança ele acha uma caixa contendo rolos de filmes caseiros com famílias sendo assassinadas, incluíndo a da casa que ele mora agora. Obcecado em solucionar o mistério e fazer fama com o livro, ele vai investigando e descobrindo que algo muito mais sinistro aconteceu.

Então vamos lá, o filme trabalha muito bem, pelo menos durante o seu início, o suspense e a tensão. A fotografia meio que força você a participar das “sessões dos filmes” com Ethan Hawke, mas somos privados das cenas mais escabrosas dos rolos, assim como o próprio personagem se priva de certas cenas. Quando o personagem vai juntando as peças do mistério e a coisa vai caindo pro lado sobrenatural, aí começa os problemas. Pois o próprio espírito não convence, as crianças possuídas dão mais medo do que ele. Mas para equilibrar isso entra a boa atuação de Hawke, que convence tanto na sua obsessão em escrever seu novo livro e elucidar o mistério quanto nas cenas em que ele vai percebendo o que está enfrentando e aos poucos vai perdendo a cabeça.

Em suma o filme tem defeitos que, para os que curtem o gênero, não passam desapercebidos, e infelizmente suas qualidades não conseguem superá-los, deixando A Entidade bem abaixo dos filme anteriores do roteirista  Jason Blum (Sobrenatural) e do diretor Scott Derickson (O Exorcismo de Emily Rose). Se Vale o Ingresso ? Cara, eu ficaria sem vê-lo tranquilão, existem filmes de terror que chamam mais a atenção, eu esperaria pelo DVD.

 

Sinister, EUA, 2012 – 90 min

Elenco: Ethan Hawke, Juliet Rylance, James Ransone, Vicent D’Onofrio

Direção: Scott Derickson