Crítica: A Origem dos Guardiões

Galera, taí uma animação que eu não estava levando muita fé. Não sei porque, mas o fato é que sou um vendido, só curto animações da Disney/Pixar, não consigo gostar de O Espanta-Tubarões, Por Água Abaixo e nem me fale em Monstros x Alienígenas e os quatro filmes do Shrek, acho todos cretinos pra caramba, mas mesmo assim me livrei dos preconceitos e dei uma chance a nova animação da Dreamworks, A Origem dos Guardiões (Rise of the Guardians) e valeu muito a pena, foi uma surpresa e tanto.

Bem, o filme mostra essa “liga da justiça” formada pelas figuras míticas da nossa infância, o Papai Noel que mais parece um coletor de dívidas da Máfia, o “ninja” Coelho da Páscoa, a gracinha açucarada que é a Fada dos Dentes e o Sandy-man, o Homem dos sonhos, cada um cumprindo as suas tarefas para que as crianças vivam felizes e continuem acreditando nelas, mas todo esse equilíbrio está para ruir quando surge uma nova ameaça, o Breu, o popular Bicho-Papão, para espalhar o terror e o pesadelo entre as crianças. Para combater essa nova ameaça os Guardiões recrutam um novo integrante, Jack Frost. Mas Jack não tem muita certeza do seu lugar entre os Guardiões, e nem por que foi escolhido.

Cara, apesar de ser uma história voltada unicamente para o público infantil a animação tem uma excelente sacada. Crianças não vão ao cinema sozinhas (pelo menos a maioria) então vamos fazer uma história em que as crianças vão curtir mas que seus pais não vão achar entediante, e fizeram isso de um modo inteligente e com extremo apelo emocional. O filme todo mostra como nós quando crianças acreditamos nesses mitos, e nossos esforços para mantê-los vivos em nossas mentes, e como vamos perdendo esse sentimento quando vamos nos tornando mais velhos, é isso que o Breu representa. Pra não ficar muito piegas, a animação tem excelentes sequências de ação, e a Dreamworks investiu pesado no 3D para elas ficarem lindas, e ficaram. Gasta um pouco mais e vai ver no 3D, só a abertura do filme com o logo da Dreamworks já vale o ingresso.

A dublagem não prejudica nem um pouco a fita, embora o ator Thiago Fragoso, que dubla o Jack, deu a impressão de demorar a encontrar o clima do personagem, diferente da sua colega ex-empreguete Isabelle Drummond, que mandou bem de Fada dos Dentes. E para os fãs tem os sempre excelentes Alexandre Moreno e Jorge Lucas dando credibilidade ao material. Se vale o ingresso ? Vale muito, A Origem dos Guardiões tem ação para as crianças e lembra aos adultos de maneira sincera aquela época em que sonhar era mais do que simplesmente botar a cabeça no travesseiro à noite e esperar acordar no dia seguinte.

 

Rise of The Guardians, EUA, 2012 – 97 min.

Elenco: Vozes de Chris Pine, Isla Fisher, Alec Baldwin, Jude Law, Hugh Jackman.

Direção: Pete Ramsey.