Crítica: Anjos da Noite 4 – O Despertar

Bem, o filme só chega aqui em Março, porém, graças ao Omelete, que no evento KingCon Rio, além de proporcionar um bate-papo com Avi Arad, nos proporcionou a Pré-Estréia de Anjos da Noite 4: O Despertar.

Vamos ao que interessa, Anjos da Noite 4: O Despertar é uma continuação direta do segundo filme, visto que o Terceiro conta a história antes do primeiro Anjos da Noite.

Na quarta parte da saga, temos Selene (Kate Beckinsale) acordando de um coma em uma instalação de pesquisa e descobre que tem uma filha (India Eisley). Esse é praticamente o pano de fundo de O Despertar, não vou falar muito para não dar muitos spoiler, mas acreditem o filme vale.

Vamos às considerações…

Sou fã da série  desde o primeiro e fiquei empolgado quando soube que o quarto iria retomar a história de onde o segundo parou. E foi bom ver Kate em ação novamente, ela tem um jeito todo especial de espancar os lobisomens que aparecem na caminho. A série ainda é a melhor em se tratando de vampiros nos tempos modernos. Com efeitos melhorados em comparação aos outros filmes, ajudam a manter a o clima de ação frenético do filme. As lutas contra os Lycans estão ótimas, destaque para a sequência da rodovia e a batalha no covil dos vampiros.

A melhor novidade da quarta parte de Underworld com certeza foi a pequena Eve, filha de Selene, nascida como uma híbrida de Vampiros e Lobisomens, ela é sempre caçada pelos Lycans e pelo grupo que a mantinha presa. Logo na primeira aparição, admito que levei um susto, parecia a Samara do Chamado (medo dela), mas depois se mostra uma menina até muito inocente e meiga, até arrebentar a cabeça de um Lycan, aí as coisas desandam de vez.

Anjos da Noite 4: O Despertar dá um novo folego à série e promete pelo menos mais um filme pela frente, pois não fica claro o que aconteceu com Michael. Assistam e aproveitem, pois esse é o tipo de filme que vale o ingresso e diverte.

Título Original: Underworld Awakening
Direção: Måns Mårlind e Björn Stein
Elenco: Kate Beckinsale, Stephen Rea, Michael Ealy, Theo James e India Eisley.
Duração: 88 min.