Crítica: Lincoln

Galera lembro de que na época de escola, quando a gente estudava sobre Clero os professores sempre nos colocavam pra assistir O Nome da Rosa, com Sean Connery, para aprender como funcionava o mundo do Clero e o pensamento da Igreja na época. Ao assistir Lincoln, a nova fita de Steven Spielberg, imediatemente me senti como o aluno que volta pra aula de história pra ver um filme e aprender sobre a história americana.

Bem, no filme o então Presidente Abraham Lincoln (Daniel Day-Lewis) precisa correr contra o tempo para aprovar uma nova emenda constitucional, que acabará com a escravidão nos EUA para sempre, antes que a Guerra Civil chegue ao fim e os Sulistas possam impedir que a emenda seja aprovada. Enquanto isso, vemos e conhecemos mais da figura que foi o presidente americano, que inspirou sua nação, tendo que lhe dar com os medos e tensões de um país em guerra, seus problemas pessoais e familiares e sua própria crise de consciência.

Cara, antes de tudo, alguns vão me odiar por dizer isso: Lincoln é um filme que você precisa, em primeiro lugar, querer assistir. Não pense que, pelo filme se passar num período de guerra, você verá um Soldado Ryan todo de novo, ou por se tratar de Abraham Lincoln veremos o presidente de machado na mão arrancando cabeças à torto e a direito. Lincoln é muito falado, aliás o que o presidente mais faz é falar, e falar, e falar…claro que numa interpretação incrível de Day-Lewis (não é a toa que levou o Globo de Ouro e com certeza vem mais um Oscar por aí), com todos os trejeitos e maneirismo da figura política. Aqui, o principal vilão é o pensamento político, coisa que não se pode bater ou destruir. Outras interpretações são exemplares, num elenco recheado de estrelas, mas Sally Field e Tommy Lee Jones se destacam, principalmente Jones com o seu personagem que nada mais é do que um contra ponto aos ideais do presidente, uma visão diferente do mesmo assunto.

Spielberg sabe contar uma história como ninguém, e principalmente fatos da nossa história (e fazer deles filmes pra levar mais Oscars pra casa), principalmente da história americana. Lincoln é um filme extremamente nacionalista, voltado para enaltecer a sua bandeira. Mas vi mais do que isso, vi um filme que sim, mostra uma história americana, mas também mostra um momento de mudanças na história e nas pessoas, as mudanças que estavam acontecendo e como o mundo caminhava, aos poucos, para o que conhecemos hoje. Se Vale a pena o Ingresso ? Sim, embora não seja algo de fato importante para nós, brasileiros, acho de extrema valia conhecermos um momento histórico de luta e liberdade, que nos trouxe mudanças que até hoje perduram.

 

Lincoln, EUA, 2012 – 150 min.

Elenco: Daniel Day-Lewis, Tommy Lee Jones, David Strathain, Sally Field, James Spader, Joseph Gordon-Levitt, Jared Harris.

Direção: Steven Spielberg.