Crítica: Se Puder… Dirija!

Galera, vocês já devem ter visto nas salas de cinema o pôster (ou até mesmo o trailer) da nova comédia brasileira de nome, que pode se dizer, “bastante inspirado”, estrelada por Luiz Fernando Guimarães. Pois bem, a maior novidade, além do filme, é o fato dessa ser a primeira produção brasileira com atores reproduzida em 3D nos cinemas. Então, será que valeu a pena?

Bem, antes vamos falar do que se trata a fita, não que seja alguma super história com um mistério revelador, mas vamos dar uma ordem pra coisa. No filme, conhecemos João (Guimarães), manobrista de um estacionamento, separado de Ana (Lavínia Vlasak), que leva uma vida tão deprimente que se esquece até de seu filho, Quinho (Gabriel Palhares). Mas ele resolveu ser mais presente na vida do garoto e promete à Ana que irá passar um dia inteiro com ele – pra cair nas graças da criança e da ex-mulher -, mas esquece que tinha que trabalhar. Então, com a ajuda de seu amigo Ednelson (Leandro Hassum), João pega um dos carros sob sua responsabilidade e vai buscar o filho. Mas o que era pra ser um dia normal e tranquilo, acaba se transformando numa grande confusão.

Bem, vou começar falando pelo menor dos problemas, o 3D. Não é que ele seja ruim, ele é simplesmente normal como a maioria dos filmes que vemos aí na pista, e não acrescenta em nada. Até apresenta um novo nível de publicidade nas telas, com produtos sendo jogados na sua cara (tudo bem, todo filme tem uma certa publicidade, quem nunca viu o Michael J. Fox bebendo Pepsi em De Volta para o Futuro 2? Mas tudo tem limite…). E quanto ao filme, tudo falha. Uma história básica e rala, que ainda tenta colocar um fundo emocional com o lance do pai ausente, com piadas que não fazem rir em nenhum momento, dignas de programas de televisão. Tipo, se eu vou pagar pra ver o produto, quero ver algo diferente do que vejo em casa, senão, qual é o sentido? E, justamente por isso, o filme falha.

O longa tenta se garantir em astros da comédia da TV Brasileira achando que vai conseguir chamar a atenção do público, algo que anda me preocupando muito no cinema brasileiro. Porque parece que só o que é feito em termos da sétima arte no nosso país é comédia, e ainda assim uma comédia que nem chega perto de um Saturday Night Live (e olha que este mesmo já teve fases melhores). Ninguém do elenco salva, porque parece uma grande produção feita pra TV. Só dá pra se divertir com a cara de paisagem do menor Quinho, que devia tá se perguntando como foi parar nessa roubada.

Mais uma vez, volto a falar: o cinema brasileiro tem potencial para ter produções de melhor qualidade do que às últimas que vem nos apresentando, temos atores que são tão engraçados e talentosos quanto os do exterior. Então por que não ter um pouco mais de cuidado nas histórias e nos roteiros?

 

Se Puder…Dirija !, Brasil, 2013

Elenco: Luiz Fernando Guimarães, Lavínia Vlasak, Leandro Hassum, Barbara Páz, Reynaldo Gianechinni, Eri Johnson.

Direção: Paulo Fontenelle