Crítica: Transformers – A Era da Extinção

Desde o lançamento do seu primeiro filme, em 2007, a franquia dos robôs gigantes alienígenas que se transformam em carrões pode ser resumida em uma razão matemática: quanto maior os efeitos e a grandiosidade dos seus sucessores, menor é o seu conteúdo produtivo. E se essa razão se faz valer, Michael Bay não aprendeu muita coisa em 7 anos.

transformers-4-arte-optimus

A proposta do filme até que é bastante interessante, meio que bebeu da água da franquia Bourne, sendo um reboot que está diretamente ligado à franquia anterior. Aqui, quatro anos se passaram desde a batalha de Chicago (o final do 3º filme), e a humanidade está contra os Autobots que nos defenderam. Foi formada uma equipe com intuito de destruir os robôs remanescentes em nosso planeta, e uma empresa de tecnologia usa seus restos para aprender mais sobre a tecnologia alienígena. No meio disso tudo, Cade Yeager (Mark Walhberg), um inventor de fundo de garagem que cisma que irá inventar algo revolucionário para pagar a faculdade da filha Tessa (Nicola Peltz), e o amigo Lucas (T.J. Miller), acham um caminhão que descobrem ser ninguém menos do que Optimus Prime. Os três, então, acabam entrando nessa batalha entre Autobots, humanos e uma nova ameaça alienígena que surge.

Transformers humanos ft 1

Eu quero defender esse filme, assim como a franquia. Ele é tecnicamente impecável, com uma fotografia muito bonita (principalmente se vista no 3D do IMAX), e privilegia toda a ação (só rolou um take desnecessário da bunda da Peltz, fiquei constrangido com aquilo, a garota mal tem 20 anos). As atuações estão boas, quer dizer, ninguém aqui quer ganhar um Oscar, mas pelo menos tá parelho com o nível do material apresentado. O problema mora no lado intelectual da coisa. Devido às exageradas 3 (longas) horas de filme, muito do que é apresentado acaba sendo repetição de coisas já apresentadas nos filmes anteriores. Arcos são finalizados, para logo em seguida novos desafios surgirem, e ao mesmo tempo em que a ação é muito boa, se torna longa, então você acaba perdendo o interesse no que está acontecendo. Sem exagero, acho que a sequência final deve ter em torno de uns 40 minutos.

transformers-4-arte-bumblebee

Esse problema da duração seria facilmente resolvido se Bay não tivesse investido em outro problema: o filme tem diálogos péssimos, recheados de piadinhas exageradas e motivações vazias. Sem isso, o filme com certeza seria menor e, logo, mais direto ao ponto. Eu tava até torcendo pra essa “renovação” da franquia, com um elenco novo pra abordar um novo ponto de vista na aventura, mas se a repetição te faz melhorar em algo, Michael Bay vai se tornar um gênio em fazer “filmes super longos sem nenhum conteúdo”, onde é visível que o diretor não aprendeu nada com a experiência do filme anterior.

 

Transformers – Age of Extinction, EUA, 2014 – 165 min

Elenco: Mark Wahlberg, Nicola Peltz, Jack Reynor, Stanley Tucci, BingBing Li, Titus Welliver, T.J. Miller, Kelsey Gramer.

Direção: Michael Bay.