Resenha: American Horror Story – Terror ao Extremo

Acabei de assistir ao final da temporada de American Horror Story, uma das mais bem sucedidas estreias desta temporada. Desde que estreou em no canal americano FX, a série arrebatou vários índices de audiência, sendo inclusive, em termos de audiência, a melhor estreia e o melhor fim de temporada do canal, e é claro (pois os gringos não são bobos nem nada), já está renovada para uma segunda temporada. Então, você vira pra mim e me pergunta “Mas vale a pena mesmo assistir a American Horror Story?”

Bem, vamos do princípio. Na história,  a família Harmon – composta pelo terapeuta Benjamim (Dylan McDermont), sua esposa Vivien (Connie Britton) e sua filha adolescente Violet (Taissa Farmiga) – procura uma nova casa. Após ter seu casamento quase arruinado devido ao flagra que Vivien, após sofrer um aborto, deu nele ao pegá-lo de calça arriada com uma estudante sua, Ben decide que um novo começo é necessário e convence a família a se mudar para uma nova casa em Los Angeles. O problema é que a casa, cheia de segredos, foi ao longo dos anos cenário de vários crimes hediondos e meio que se tornou um antro de espíritos vingativos, coisa que o jovem Tate (Evan Peters), novo paciente do Dr. Harmon, a sinistra vizinha Constance (Jessica Lange, indicada ao Globo de Ouro de Atriz Coadjuvante pela série) e a misteriosa governanta Moira (Frances Conroy) sabem muito bem.

analise-american-horro-story-1t-01

Com esse enredo inicial, a série vai, na abertura de cada episódio, mostrando esses crimes que mencionei e como eles se adequam de algum modo a uma determinada situação apresentada no episódio. A série mantém um nível ótimo em torno dos mistérios envoltos na casa e já que cada temporada se trata de um arco fechado (ou seja, cada temporada vai contar um caso diferente), nenhuma pergunta que venha a passar na sua cabeça fica sem resposta. O elenco é bem legal e convincente, tanto o principal quanto os muitos coadjuvantes que aparecem ao longo dos episódios, como a ex-amante de Ben, Hayden (Kate Mara), o antigo morador da casa Lerry (Denis O’Hare) , a filha de Constance, Addie (Jamie Brewer), e o Homem de Borracha.

analise-american-horro-story-1t-03

Então, respondendo a pergunta que fiz lá em cima, eu digo SIM, vale muito ver esta série. Eu gostei muito como um todo, apesar de não ter curtido muito o final, só que aí é algo pessoal. Mas que a série tem seus momentos extremamente pesados e perturbadores, isso é fato, e a própria abertura já mostra isso (me fez lembrar os bons tempos de Supernatural, apesar de Supernatural ser um terror mais pop, o que não é o caso aqui). Se você que pode ver o canal Fox e tá afim de uma série de terror, American Horror Story cumpre mais do que bem este papel, porque ela é extremamente viciante e instigante, e vai te tirar algumas noite de sono.