Resenha: Demolidor – 2ª Temporada

Inicialmente, o plano eram que as 4 séries da parceria Marvel/Netflix fossem lançadas levando à série dos Defensores, mas devido ao estouro que foi a primeira temporada de Demolidor, o plano foi pro buraco. Todos esperavam ansiosamente para continuar vendo as aventuras de Matt Murdock (Charlie Cox) pela suja Hell’s Kitchen, e para saber como ele se firmou dividindo a sua vida como advogado de dia e vigilante à noite. E a 2ª temporada chegou, se mostrou maior, melhor e expandiu ainda mais o pequeno e excelente universo urbano dos heróis Marvel.

Mesmo tendo prendido Wilson Fisk (Vincent D’Onofrio), os problemas não haviam chegado ao fim. E a pouca glória que a firma de advogados Nelson e Murdock conseguiu ao prender o Rei do Crime já havia acabado. Praticamente o que temos no início dessa temporada é um regresso ao status em que os encontramos no início da série. Mas agora a ameaça da vez vem em duas frentes: um atirador caçando membros das gangues e máfias, deixando a polícia sem ação, e uma antiga relação de Matt que acaba se revelando como algo muito maior.

Tudo o que vimos na primeira temporada não foi esquecido ou ignorado, pelo contrario. O que era pequeno e foi plantado na temporada anterior cresceu e deu frutos nessa segunda, e tudo que foi grande na primeira, voltou para nos lembrar de que ainda podem retornar. No entanto, o que deu gás à segunda temporada foi a introdução dos novos personagens. Jon Bernthal foi a escolha perfeita para o Justiceiro, com cenas hipnotizantes e diálogos, inspirados. O anti-herói da Marvel chega para plantar a dúvida de se a forma como Demolidor combate o crime é de fato eficaz. Na segunda metade, somos apresentados à Elektra de Elodie Yung, que achei uma personagem inicialmente bem chata, mas que foi melhorando na medida que a trama dela se revelou de suma importância, e expandiu ainda mais para o que pode levar para uma possível trama dos Defensores.

Eu só não simpatizei com a solução dada às tramas, tudo soou um tanto simplista, principalmente a do Justiceiro. Tinha um potencial pra terminar expandindo ainda mais para uma possível série do personagem, mas preferiram uma finalização básica. E não houve de fato um crescimento em Murdock. Me pareceu que ele simplesmente não evoluiu como vigilante e nem como pessoa depois dos eventos da temporada anterior, diferente dos seus amigos, que sim, tiveram uma evolução muito bem amparada pela trama, principalmente Karen Page (Deborah Ann Woll).

Ainda assim, os pontos fracos são coisas muito pequenas para tirar a graça e o frescor de um ótimo material que uma série como Demolidor representa atualmente no mundo geek/nerd. Com extrema fidelidade ao produto original, a Marvel consegue gerar sucesso e conversa em cima das suas marcas e produtos. E nós temos boas séries pra assistir e já estamos esperando por mais.